Transtorno de Ansiedade de Separação Infantil

ansiedade de separaçãoDurante o desenvolvimento infantil são previstas etapas em que é esperado que a criança manifeste ansiedade ao afastar-se das suas figuras de referência. Por exemplo, um bebê tende a chorar ao sair do colo da mãe ou perante um estranho, ou viver com angústia, o inicio, da sua trajetória na creche.

Em um afastamento prolongado, como uma viagem de trabalho ou de férias, é natural que a criança verbalize saudades, manifeste algumas alterações de comportamento, chore na hora de ir para a cama, ou apresente queixas somáticas tais como dores de barriga ou febre. O medo ou a ansiedade vão aparecer, mas de forma proporcional ao momento vivido pela criança. Quando o transtorno de ansiedade de separação surge, estas experiências são vividas mais intensamente e dramaticamente diante de situações onde o afastamento não justifica a intensidade do comportamento ansioso.

 A ansiedade de separação é um transtorno comum na infância, com maior incidência em crianças entre os cinco e os doze anos, se caracteriza pela vivência de ansiedade intensa em momentos de separação das principais figuras de vinculação, tipicamente os pais.

A ida para a escola, ficar na casa de um familiar ou na festa de aniversario de um amigo, que antes acontecia com normalidade e até entusiasmo, passam a serem momentos vividos com intensa carga negativa, muitas vezes acompanhada de uma queixa de saudades. Ações simples como permanecer sozinho no quarto podem passar a ser difícil de acontecer.

 A hora de dormir pode aparecer como outro momento critico, uma vez que, permanecer no quarto sozinho já é causador de medo e ansiedade, o adormecer significará esta a mercê dos medos. Devido a este fato, é comum as crianças quererem adiar a ida para a cama, peça para dormir com os pais ou tenha o sono interrompido durante a noite por pesadelos.

Tudo isso tende a afetar as rotinas familiares ocasionando atraso na saída para escola ou para o trabalho, preocupação permanente dos pais, que as vezes alteram seus planos de vida social, dentre outros. Como, também, pode comprometer varias áreas da vida da criança. Por exemplo, a escolar e a social se existir recusa de contato com os amigos ou de permanecer na escola no tempo determinado.

 Diante do exposto, é importante estarmos, sempre, de olho nas nossas crianças e tentando identificar se o comportamento apresentado é o esperado ou se esta saindo da curva. Toda criança vai ter receio de se afastar dos pais e cabe a nos pais passar segurança para que eles possam fazer isso com tranqüilidade, mas se você percebe o seu filho não esta conseguindo e que o comportamento dele estar estranho procure ajuda de um psicólogo.

Achou interessante? Compartilhe!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Aguarde...

    Informe Seu E-mail

    Quer receber meus artigos sobre temas relacionados a psicologia? Medos, Stress, Ansiedades, depressão... Cadastre seu melhor e-mail.