Recuperação Escolar

9557E951-A471-4345-8474-CE7FF2B58803

 O final do ano letivo se aproxima e com isso a recuperação escolar também. Temida por muitos pais e alunos está é uma época do ano tensa e desafiadora para os dois lados. Normalmente, em um período de 15 dias os alunos terão a oportunidade de fazer uma nova prova com o objetivo de alcançar uma nota acima da média. As dificuldades começam porque, muitas vezes, ao longo de todo o ano ele não obteve essa nota, está cansado do ano letivo, sob pressão visto que é a última chance, verá uma boa parte dos amigos de férias e terá que ter uma rotina diferente e os pais terão que lidar com toda a situação, estimulando e cobrando na medida. Não tenho a intenção aqui de julgar se a recuperação é válida, qual a melhor forma das escolar tratarem o assunto. O objetivo é pensar como podemos lidar com a recuperação de forma saudável. Os alunos que ficam de recuperação, em sua maioria, vão dando sinais ao longo do ano. As notas baixas aparecem, a dificuldade de aprendizado, a desmotivação por não está conseguindo atingir o esperado e é preciso estarmos atentos para intervir logo que esses primeiros sinais aparecerem. Caso as ações realizadas ao longo do ano não traga sucesso é preciso enfrentar a recuperação. Apesar de ser um momento tenso não devemos pressionar demais o estudante. Um pouco antes da recuperação começar chame-o para uma conversa, juntos tentem decidir qual será a estratégia que ele irá usar, como será o estudo, deixem claro o que vocês esperam dele nesse período e que estarão juntos para ajudá-lo desde que ele faça a sua parte. Não é hora de pedir para ele pensar onde irá estudar se perder o ano, se quer mudar de escola ou não, conversas como essa trarão um nível de ansiedade alto que pode atrapalhar o desempenho. Por exemplo, semana passada, no consultório um paciente chegou para atendimento muito assustado porque ia ficar de recuperação e o pai já estava falando sobre nova escola, quais as dificuldades que ele iria enfrentar sendo repetente, antecipando um sofrimento que pode não vir a acontecer. Então o ideal é focar as forças e ações para a recuperação, é uma nova chance e existe sim possibilidade de recuperar. Como disse é preciso cobrar, mas na medida certa para essa não ter um efeito contrário. E acompanhar de perto, bem de perto.

Achou interessante? Compartilhe!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Aguarde...

    Informe Seu E-mail

    Quer receber meus artigos sobre temas relacionados a psicologia? Medos, Stress, Ansiedades, depressão... Cadastre seu melhor e-mail.