Agressividade Infantil

É comum recebermos no consultório pais preocupados que trazem queixas de que seus filhos estão agressivos, violentos. Essas queixas, às vezes, vêm do convívio diário com os irmãos, secretárias do lar e as vezes de relatos de professoras de situações do dia a dia na escola.

Os motivos pelos quais as crianças agridem outra podem ser vários. Temos que levar em consideração que as crianças, dependendo da idade em que estão do seu desenvolvimento, não conseguem expressar os seus sentimentos através de palavras e a agressão passa a ser uma forma de fazer isso. Então a agressão pode acontecer como uma reação a uma já sofrida, pode estar demonstrando algum desajuste emocional relacional a situações novas e difíceis de lidar como: mudança de escola, separação dos pais, mudança de babás, dentre outras. A criança pode, devido a essas situações, estar se sentindo insegura e isso pode desencadear algumas ações agressivas.

O fato de a criança observar ou conviver com a violência, a culpa ou a satisfação que ela é estimulada a sentir após praticar a violência e os níveis de frustração e raiva que ela sente, podem influenciar essas ações agressivas. Os pais, mesmo que não agridam os filhos, podem estimular a violência quando brigam demais entre si, os filhos por amarem os pais podem tomá-los como espelho. Não podemos pensar que todas as crianças são naturalmente agressivas, pois alguns fatores externos estão envolvidos nesse processo, como supracitado. É preciso ressaltar que não estamos falando de um caso de agressão isolado que pode ter acontecido na escola com o seu filho. Estamos tomando como exemplo crianças que cometem atos agressivos com frequência.

A nossa personalidade passa por algumas fases de formação e a infância é uma dessas e tem grande importância no desenvolvimento das crianças. Dessa forma, apesar de não estarem com a personalidade totalmente formada ainda, as crianças são capazes de entender os limites que lhes são colocados. Os pais devem agir com um misto de firmeza e carinho. Repreender um comportamento errado do filho na hora em que este está acontecendo ou na hora em que se fica sabendo do ocorrido é de extrema importância. Ser capaz de conversar com o filho e mostrar que está tentando entender o que aconteceu ou até que entende a raiva que ele sentiu no momento em que agrediu um colega, por exemplo, também é importante, mas deixar claro para os pequenos que a agressão não é a forma correta de expressar uma raiva ou resolver uma situação é ainda mais importante. Colocar limite nas crianças tornou-se uma difícil tarefa para os pais, mas uma tarefa que quando bem feita pode facilitar bastante o desenvolvimento delas.

Quando os casos de agressão passam a ser frequentes e fogem do controle dos pais é preciso buscar ajuda psicológica para que possamos investigar e entender o que está motivando esses comportamentos e trabalhar com a criança a expressão dos sentimentos que é para elas um grande desafio, mas um desafio capaz de ser enfrentando com o suporte adequado. Dessa forma, não hesite em busca ajuda de um psicólogo.

 Espero ter conseguido esclarecer sobre o tema da agressividade infantil, se tiver alguma dúvida sobre essa matéria ou sugestão de novas matérias, comente no formulário abaixo, que terei o prazer de responder.

Até a próxima!

Segue meus Contatos:

Rafaela Câmara – Psicóloga Clínica
Contato: 85 – 3246.3975
Av. Padre Antonio Tomas, 180 – Aldeota

Achou interessante? Compartilhe!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Aguarde...

    Informe Seu E-mail

    Quer receber meus artigos sobre temas relacionados a psicologia? Medos, Stress, Ansiedades, depressão... Cadastre seu melhor e-mail.